‘Vamos fazer reforma da Previdência’, diz Onyx

Após a primeira reunião ministerial do presidente Jair Bolsonaro e sua equipe, o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, não quis dar detalhes sobre o conteúdo da reforma da Previdência, mas garantiu que o governo implementará mudanças nas regras de aposentadoria.

“Só uma palavra: nós vamos fazer a reforma da Previdência”, respondeu ao ser questionado sobre o tema.

Segundo Onyx, entre sexta-feira (4) e o início da próxima semana, a equipe do ministro Paulo Guedes (Economia), vai fazer uma apresentação sobre os principais pontos da reforma a Bolsonaro.

A declaração assertiva do ministro sobre o projeto ocorre um dia depois de Guedes apresentar um plano B para o caso de frustração com a reforma no Congresso.

Segundo o chefe da equipe econômica, caso não seja possível conquistar o apoio necessário de parlamentares para mexer nas regras de aposentadoria, o governo vai propor alterar todo o funcionamento do Orçamento, retirando as regras de vinculação e indexação dos gastos públicos.

No segundo dia de trabalho após assumir a Presidência, Bolsonaro se reuniu com seus 21 ministros e com Roberto Campos Neto, indicado para assumir o Banco Central. A escolha do dirigente da autoridade monetária ainda depende de aprovação do Congresso e, por isso, ele é o único que ainda não assumiu o cargo.

Questionado sobre uma declaração feita pelo presidente na manhã desta quinta, que prometeu arrecadar R$ 7 bilhões com concessões, Onyx não soube detalhar quais obras seriam oferecidas à iniciativa privada.

“Algumas coisas estão prontas para serem assinadas. São obras feitas ou em andamento, como o aeroporto de Porto Alegre”, disse. Segundo ele, isso deve ser detalhado na próxima semana, para quando está prevista uma nova reunião ministerial.

Bolsonaro afirmou pelas redes sociais que seu governo vai atrair “rapidamente” investimentos com concessões.

“Rapidamente atrairemos investimentos iniciais em torno de R$ 7 bi, com concessões de ferrovia, 12 aeroportos e 4 terminais portuários. Com a confiança do investidor sob condições favoráveis à população resgataremos o desenvolvimento inicial da infraestrutura do Brasil”, escreveu no Twitter, sem dar detalhes.

O número estimado pelo presidente equivale a menos de dois dias de arrecadação de impostos e tributos feita pela Receita Federal. Segundo o órgão, o país recolheu R$ 1.315,6 bilhões entre janeiro e novembro deste ano, o que corresponde a uma média diária de R$ 3,9 bilhões.

O valor de R$ 7 bilhões é também muito inferior ao que o ministro da Economia, Paulo Guedes, espera arrecadar no total com privatizações, concessões e desestatizações. Ele estima levantar R$ 700 bilhões com essas medidas, o que ajudaria a reduzir a zero o déficit de 2019, hoje previsto em R$ 139 bilhões.

Zerar o deficit das contas públicas é uma promessa de campanha de Bolsonaro, mas que especialistas acreditam que dificilmente essa meta conseguirá ser alcançada. Com informações da Folhapress | Foto: © Marcos Corrêa/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com