Estúdio no Recôncavo era usado para gravar cenas de sexo com crianças

CORREIO DA BAHIA – A Polícia Civil da Bahia encontrou um estúdio onde eram feitas fotos e gravação de vídeos de sexo explícito com crianças e adolescentes durante a operação de combate à pedofilia do Ministério Público da Bahia (MP-BA), batizada de Dirty Web, que significa em português ‘teia suja’. O local usado pelos criminosos fica na cidade de Aratuípe, Recôncavo baiano, e servia como ponto de disseminação como também de produção do conteúdo. Uma pessoa foi presa na cidade.

“São fotos e vídeos com crianças mantendo relações sexuais com adultos. Cenas repugnantes”, declarou a promotora Ana Emanoela Cordeiro, coordenadora do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e Investigações Criminais (Gaeco).

Ainda no estúdio, a polícia encontrou brinquedos e medicamentos, indícios de que crianças eram levadas para o local. “Bichos de pelúcia, roupas infantis, doces, dvd’s infantis e até medicamentos, supostamente usado para dopar pessoas, foram apreendidos na operação. São fortes elementos de que algumas das fotos e vídeos foram produzidos no estúdio”, disse a promotora.

Prisões

Os policiais cumpriram mandado de prisão e busca apreensão em Salvador – Castelo Branco, Cidade Nova, Vila Laura, Itapuã, Paralela, São Marcos, Plataforma, Tororó e Santa Cruz –, e nas cidades de Simões Filho (Região Metropolitana de Salvador), Alagoinhas, Cruz das Almas, Baianópolis, Feira de Santana e Aratuípe. Foram 11 presos em flagrante – cinco em Salvador e seis no interior da Bahia. Inicialmente, a assessoria de comunicação do MP divulgou o total de 12 presos, mas a informação foi corrigida durante a coletiva de imprensa na manhã desta quinta.

As investigações duraram mais de seis meses após denúncia da polícia de São Paulo para a cidade de Itamaraju, no sul do estado. “Ao receber a denúncia, comecei a apurar e descobrir vários casos no estado”, disse o promotor João Paulo Costa, titular da Vara Criminal e da Infância de Itamaraju, responsável pela emissão dos mandados.

Colaboraram, ainda, com a ação a Polícia Civil do Estado da Bahia, através do Departamento de Polícia do Interior (Depin), do Comando de Operações Especiais (COE), do Departamento de Polícia Metropolitano (Depom) e do Departamento de Crimes contra o Patrimônio (DCCP), além de diversos promotores de Justiça do Estado, que auxiliaram no cumprimento dos mandados.

Descarte

O Gaeco foi acionada para investigar o caso. “Após monitoramento de indícios desse crime em municípios da Bahia, demos continuidade as apurações e chegamos a esse grupo que trocava, armazenava, compartilhava e comercializava imagens pornográficas envolvendo crianças”, afirmou.

Ainda de acordo com a coordenadora, com a chegada da polícia, alguns dos acusados tentaram descartar as provas do crime. “Em Salvador, os acusados foram presos em Castelo Branco, Itapuã, Paralela e São Marcos e, quando chegamos com mandado de busca e apreensão, suspeitos tentaram jogar as provas pelas janelas e no sanitário”, disse a promotora.

A representante do MPE disse ainda que a investigação visa identificar as crianças e adolescentes que aparecem em cenas de sexo nas fotos e vídeos. “Uma prática nefasta que pode culminar na prática efetiva contra a criança e o adolescente”, declarou.

Dentre os materiais apreendidos estão computadores, celulares e anotações dos acusados. “Estamos investigando se há ligação entre eles, mas normalmente essas pessoas costumam conversar entre si nas redes sociais”, pontuou a promotora. Os presos foram encaminhados para a Delegacia Especializada de Repressão à Crime contra Criança Adolescente (Dercca) regionais e estão à disposição da Justiça.

Comente com o Facebook
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com