Petistas baianos fazem coro de repúdio contra ACM Neto após processo contra Robinson

BNEWS – Petistas baianos divulgaram notas em repúdio à ação judicial movida pelo prefeito ACM Neto (DEM) contra o deputado estadual Robinson Almeida (PT), considerada pelos correligionários como uma “tentativa de cerceamento de liberdade de opinião”. Robinson havia criticado a inversão de prioridades da gestão carlista ao destinar, em 2018, R$ 2,8 milhões para a ONG Parque Social e Empreendedorismo Social, presidida por Maria do Rosário Magalhães, mãe de ACM Neto.

Em nota, a bancada do PT na Câmara Federal declarou que “é prática carlista, histórica, perseguir seus opositores e cercear o debate público, plural, sobre a cidade e o Estado, sempre que estão no poder”. “A Bahia viveu por décadas sob esse tipo de censura, em que o debate público sobre as prioridades de investimento e também de gestão da administração pública era silenciada, os opositores do carlismo perseguidos e cerceados”, afirma trecho da nota subscrita pelos deputados Afonso Florence, Jorge Solla, Joseildo Ramos, Nelson Pelegrino, Valmir Assunção, Waldenor Pereira e Zé Neto.

A Bancada do Partido dos Trabalhadores na Assembleia Legislativa da Bahia também manifestou “o seu irrestrito apoio” ao deputado. “Permaneceremos firmes na defesa de uma sociedade sem tirania, opressão e injustiça”. Segundo os parlamentares, “nos termos do art. 84 da Constituição do Estado da Bahia, os deputados são invioláveis por suas opiniões, palavras e votos”. “Trata-se de prerrogativa que garante a independência para o pleno exercício da função parlamentar, cuja livre manifestação do pensamento é essencial em um ambiente político que se deseja democrático”, alegam.

Os deputados estaduais destacaram ainda que “as pessoas públicas, a exemplo do prefeito de Salvador, estão naturalmente submetidas a um âmbito maior de exposição na sociedade, razão pela qual devem suportar às críticas políticas e administrativas da população, da imprensa e de integrantes do Poder Legislativo, da mesma forma que ocorre com gestores em qualquer parte do mundo”. “O fato imputado ao deputado Robinson Almeida, que se limitou a reproduzir e comentar em uma rede social o teor de uma matéria jornalística, não se constitui enquanto crime, sendo crítica política plenamente autorizada pela legislação, estando na esfera de sua inviolabilidade de opinião enquanto parlamentar, o que tem sido plenamente autorizado pela jurisprudência histórica do Supremo Tribunal Federal”.

Líder do PT na Câmara Municipal de Salvador, a vereadora Marta Rodrigues chamou de “tentativa de censura e intimidação” a ação judicial. “Vemos como extremamente prejudicial para a democracia quando se tenta, através de ações judiciais, intimidar um parlamentar eleito para representar a voz da população”, disse a edil. Ela acrescentou, ainda, que a crítica de Robinson foi “extremamente pertinente” e ele, como deputado eleito também pela população soteropolitana, tem o direito de cobrar do prefeito o investimento correto da verba pública na cidade.

“Eu ando pelos bairros periféricos de Salvador e uma das coisa que mais ouço é sobre dificuldades nos postos de saúde e na atenção básica. Há um déficit e não tem como fingir que não existe. Tentar intimidar que se fale é isso é querer não ver melhorias para a questão”, pontuou ela.

O presidente do Partido dos Trabalhadores em Salvador, Gilmar Santiago, criticou a ação judicial movida pelo prefeito. Para ele, há uma tentativa do gestor soteropolitano em “intimidar e impedir críticas à sua gestão”. “A crítica que Robinson fez foi uma critica política  de inversão de prioridade em investimentos, em áreas como a saúde, que são áreas que tem uma debilidade enorme em Salvador. O prefeito ACM Neto não vai silenciar nem ao deputado Robinson Almeida, nem ao PT nas críticas à esse modelo de gestão excludente, que não prioriza investimentos em áreas fundamentais como educação, está aí a crise da educação infantil, a atenção básica da saúde, que não cobre nem 50% da cidade, e também a falta de obras estruturantes nos bairros. Os recursos públicos tem que ser investidos nas áreas mais sensíveis da cidade e isso não está acontecendo”, criticou Gilmar, que aponta Robinson como pré candidato à prefeitura de Salvador.

“Robinson tem sido um dos deputados mais atuantes da pauta política da cidade na Assembleia Legislativa, pautando, principalmente, o debate público sobre Salvador, e isso tem incomodado o prefeito”, enfatizou Santiago.

Entenda o caso
Conforme citado pela reportagem, Robinson foi condenado a 1 ano 9 meses e 23 dias de prisão pelos crimes de calúnia e difamação cometidos contra o prefeito ACM Neto e a mãe dele, Rosário Magalhães. Além da detenção, que foi convertida em prestação de serviços comunitários, Robinson Almeida pode ter os direitos políticos suspensos, logo após o trânsito em julgado da ação no primeiro grau, que acontece 15 dias após a expedição da sentença, caso não haja recurso da parte condenada. A justificativa se dá pelo artigo 15, inciso III da Constituição Federal, que trata do trânsito em julgado como possibilidade cassação dos direitos políticos.

De acordo com a denúncia, em março de 2018, o parlamentar fez uma publicação em rede social, acusando o prefeito de repassar indevidamente à mãe a quantia de R$ 2,8 milhões de verba municipal para beneficiar o Parque Social, instituição que ela preside.

O deputado, que anexou uma notícia ao comentário, afirmou que o fez na condição de cidadão, e que tem direitos político e legítimo de criticar uma ação praticada pelo prefeito. No entanto, o juiz da 12ª Vara Criminal de Salvador entendeu que “as vítimas, em nenhum momento, contribuíram para a prática dos delitos” e, ao fazer o comentário, Robinson deu uma interpretação distorcida dos fatos.

Comente com o Facebook
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com