Pantanal tem maior número de incêndios para outubro em 17 anos

ESTADÃO – O Pantanal registrou em outubro de 2019 o maior número de queimadas dos últimos 17 anos para esse mês do ano, segundo dados compilados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). De acordo com o balanço do órgão, foram 2.430 focos de incêndio registrados no mês passado no bioma.

O número é 1.925% maior do que o verificado em outubro do ano passado, quando o Pantanal havia sido atingido por 120 queimadas. O recorde anterior ao deste ano havia ocorrido em outubro de 2002, quando 2.761 focos foram registrados no bioma.

As queimadas de setembro deste ano já tinham sido 267% maiores do que as de setembro de 2018 e foram devastadoras para o bioma. E agosto, com 1.690 focos, tinha superado em 514% o mesmo mês do ano passado. Os dados são do Programa Queimadas, do Inpe. Em setembro, reservas ecológicas foram queimadas, ameaçando programas de conservação da arara-azul.

O incêndio de grandes proporções que vem atingindo o Pantanal nos últimos dias já destruiu 128 mil hectares de vegetação, segundo estimativa do Inpe. Para efeito de comparação, a cidade de São Paulo tem área de 152 mil hectares.

Segundo Alberto Setzer, pesquisador do Inpe e membro do Programa Queimadas, a seca registrada neste ano tem tornado o cenário mais dramático e dificultado o controle das chamas. “São praticamente três meses seguidos com chuvas abaixo da média”, explica o especialista.

De 1º de janeiro até o último domingo, dia 3, foram relatados no Pantanal, bioma que se estende por Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, 8.875 focos de incêndio. O mesmo período do ano passado teve somente 1.514 focos – aumento de 486%. É o mais alto número de queimadas desde 2007 para o período, quando houve 9.664 focos.

Combate. A falta de chuvas e o calor intenso dificultam o combate aos incêndios que atingem a porção do Pantanal no Mato Grosso do Sul. As chamas avançam para a região do Forte Coimbra, entre Corumbá e Porto Murtinho, e atingem as bordas do Parque Estadual do Rio Negro, na região central do bioma.

Conforme o governo estadual, o Corpo de Bombeiros foi obrigado a remanejar parte do grupamento e aeronaves para combater grandes incêndios que surgiram, durante o dia, no Parque Estadual Várzeas do Ivinhema, no extremo sul da Bacia do Rio Paraná.

Conforme o secretário estadual do Meio Ambiente, Jaime Verruck, a situação é preocupante. “As previsões meteorológicas indicam que será uma semana crítica para os combates às chamas, por causa da ausência de chuvas e das altas temperaturas”, disse.

Verruck observou que o Estado sofre uma de suas maiores estiagens, afetando todo o ecossistema. “O Rio Paraguai apresenta um dos menores níveis dos últimos 20 anos e as várzeas e lagoas estão secas, oferecendo material de fácil combustão. Estamos tendo atenção redobrada, não só para evitar mais prejuízos à biodiversidade, mas para que não ocorram perdas de vidas.” A pasta ainda não tem um levantamento da fauna atingida, mas já se sabe que muitos animais silvestres e até bois morreram nas queimadas.

Efetivo

A força-tarefa de combate a incêndios conta com 120 homens, três aviões Air-Tractor com lança-água e três helicópteros. O Corpo de Bombeiros do Distrito Federal enviará hoje mais 27 homens para o combate aos incêndios registrados na área do Pantanal.

Comente com o Facebook
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com