Bahia tem 10 cidades que podem ser extintas com novo pacto federativo; veja lista

G1/BAHIA – O projeto prevê que municípios com menos de 5 mil habitantes e arrecadação própria menor que 10% da receita total sejam incorporados a cidades vizinhas.

De acordo com o Ministério da Economia, há atualmente 1.254 municípios no país dentro desses parâmetros.

Na Bahia, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (7/11) pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), as cidades são: Aiquara, Catolândia, Contendas do Sincorá, Dom Macedo Costa, Gavião, Ibiquera, Lafaiete Coutinho, Lajedão, Lajedinho e Maetinga.

Entre elas, Catolândia tem a menor população, com 3.555 mil habitantes, e Gavião a maior, com 4.487 mil moradores. Em relação à receita tributária, Maetinha é a que menos arrecada, com 2,22%, e Contendas do Sincorá lidera, com 4,49%.

Vejas as 10 cidades da BA que podem ser extintas com novo pacto federativo

Municípios População Receita Total (R$) Receita Tributária (R$) Receita Tributária (%)
Aiquara 4.478 15.492.413,69 565.760,57 3,65%
Catolândia 3.555 15.249.846,74 419.631,24 2,75%
Contendas do Sincorá 4.086 16.872.240,02 757.317,51 4,49%
Dom Macedo Costa 4.050 15.140.658,48 465.729,48 3,08%
Gavião 4.487 16.128.770,47 440.979,14 2,73%
Ibiquera 4.043 15.628.980,43 344.873,06 2,21%
Lafaiete Coutinho 3.757 20.062.794,12 512.614,77 2,56%
Lajedão 3.934 17.695.340,18 1.074.627,56 6,07%
Lajedinho 3.808 16.377.784,95 667.558,72 4,08%
Maetinga 3.577 23.113.438,55 513.185,74 2,22%
O que prevê a PEC do pacto federativo
  • Cria o Conselho Fiscal da República que se reunirá a cada três meses para avaliar a situação fiscal da União, estados e municípios. O conselho será formado pelos presidente da República, Câmara, Senado, Supremo Tribunal Federal (STF), Tribunal de Contas da União (TCU), governadores e prefeitos;
  • Extingue o Plano Plurianual (PPA);
  • Leis e decisões judiciais que criam despesas só terão eficácia quando houver previsão no orçamento;
  • Os benefícios tributários serão reavaliados a cada 4 anos. No âmbito federal eles não poderão ultrapassar 2% do PIB a partir de 2026;
  • A partir de 2026, a União só será fiadora (concederá garantias) a empréstimos de estados e municípios com organismos internacionais, e não mais com bancos;
  • Prevê a transferência de royalties e participações especiais a todos estados e municípios;
  • União fica proibida de socorrer com crédito entes com dificuldades fiscal-financeiras a partir de 2026;
  • Estados e municípios passarão a receber toda a arrecadação de salário-educação e a definir o uso dos recursos;
  • Permite que o gestor administre conjuntamente os gastos mínimos em educação e saúde, podendo compensar um gasto de uma área na outra;
  • Cria o Estado de Emergência Fiscal que vai desindexar despesas obrigatórias e cria mecanismos automáticos de redução de gastos.
Comente com o Facebook
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com