Globo demite mais de cem funcionários após embate com Jair Bolsonaro

FOLHAPRESS – Cerca de cem funcionários dos Estúdios Globo foram demitidos nesta quarta-feira (6/11) pela emissora, segundo informou a revista Veja. De acordo com a publicação, o corte atingiu equipes de entretenimento e das áreas de produção, transporte e figurino.

Em nota, a Globo diz que não comenta questões internas, mas que “todas as grandes empresas modernas passam por processos na busca de eficiência e evolução constante.” “Nesse contexto, é natural que se façam ajustes. Na Globo não é diferente.”

Esse movimento seria consequência de um processo de fusão de empresas do grupo Globo, segundo informou o site Na Telinha. Essas podem ser as primeiras demissões de um corte que pode chegar a 20% na folha  do departamento pessoal das empresas envolvidas.

O programa Uma Só Globo, que iniciou em setembro de 2018, consiste em unir um único CNPJ a TV Globo, Globosat, Globo.com, DGCORP (Diretoria de Gestão Corporativa) e Som livre.

A reestruturação da emissora ainda acontece justamente após o embate do Jornal Nacional com o presidente Jair Bolsonaro, que foi citado em uma reportagem sobre as investigações da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

Segundo a reportagem, o ex-policial militar Élcio Queiroz, suspeito de envolvimento no crime, disse na portaria do condomínio no Rio de Janeiro onde o presidente tem imóvel que iria à casa de Bolsonaro no dia do crime.

Os registros da Câmara dos Deputados, no entanto, mostram que Bolsonaro estava em Brasília. O presidente respondeu, em transmissão ao vivo nas redes sociais, contestando a informação veiculada pelo Jornal Nacional e atacando a emissora. Ele também responsabilizou o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), pelo vazamento do depoimento do porteiro, que relatava a visita do suspeito à casa do presidente.

No vídeo, Bolsonaro também insinuou que dificultará a renovação da concessão da emissora, que vence em 2023, mas que em 2020 já começa a ser analisadas –último ano do mandato de Bolsonaro . “Não vou persegui-los, mas o processo vai estar limpo. Se não estiver limpo, legal, não tem renovação da concessão de vocês, e de TV nenhuma. Vocês apostaram em me derrubar no primeiro ano e não conseguiram”.

Vale lembrar que a emissora já vem demitindo alguns funcionários antes mesmo da entrada de Bolsonaro na presidência, com o argumento que iria mudar o regime de trabalho de seus funcionários.

Comente com o Facebook
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com